sábado, 5 de julho de 2014

Cintia

Meu nome é Cintia tenho 20 anos e uma bebe linda chamada Gabrielly de 11 meses.!
No começo foi tudo tão difícil, mas minha família me apoiou e me ajudou muito, eu e meu namorado brigávamos muito e depois da gravidez ficou tudo perfeito. Parece que nossa bebê veio pra mudar nossas vidas! Na gravidez foi tudo perfeito não aguentava mais de ansiedade ai começaram as contrações as 08:00 da manhã dia 21 de julho, fui para maternidade só estava com 1 dedo de dilatação mesmo assim fiquei lá até chegar aos dedos, fui internada as 20:30, até que estouraram minha bolsa, cheguei a ficar com 9 de dos de dilatação era 23:00, porém os exames do coração da minha bebê não estava nada legal, cada contração que eu tinha diminuía os batimentos dela, comecei a ficar desesperado meu namorado brigando com os médicos até que graças a Deus uma enfermeira chegou viu a situação e falou.. –LEVA PRA CESARIA AGORA. Ufa fiquei tão feliz, e quando foi 00:44 ouvi o choro mais lindo do mundo, comecei a chorar, não parava um segundo, mil coisas passando na minha cabeça, mil perguntas surgindo na minha mente, mas agora eu tinha que pensar em cuidar da minha pequena. No primeiro dia foi tudo lindo e maravilhoso, até que no segundo dia ela foi internada com icterícia (amarelão) nossa meu mundo desandou ficou 7 dias internada e eu já estava de alta coração apertado de ter que ir embora e deixar minha bebe na maternidade, se passaram os 7 dias de sofrimento e depois disso minha vida foi só felicidade foi o melhor presente que eu poderia ter ganho em toda minha vida! Minha bebe nasceu dia 22/07 18 dias depois do meu aniversário, melhor presente que eu ganhei em toda minha vida.!

1- No momento em que viu o positivo, o que passou pela sua cabeça?
Minha menstruação nunca foi regulada pra mim estava normal, até que um dia eu comecei a passar mal no serviço e fui embora liguei pro meu namorado na hora, quando fui pro hospital a primeira coisa que me perguntaram era da minha menstruação e falaram que possivelmente estaria gravida, já fiquei em choque porém só no outro dia fui no posto fazer o exame, cheguei fiz tudo normal estava tranquila, até que a enfermeira perguntou quer positivo ou negativo?? Eu falei negativo é claro ela falou.. Então pode esquecer porque já deu positivo, ela falou: "Passa na recepção pra marcar consulta do pré natal", fiquei sem chão sai correndo entrei no metro e desandei de tanto chorar, liguei pro meu namorado ele ficou surpreso e com medo também, foi o dia mais longo da minha vida, até chegar em casa e me surpreender com um abraço enorme da minha mãe e um beijo na minha barriga, minha família sempre me apoiou em tudo, e mais uma vez estavam de braços abertos para mim.

2- Continua com o pai do bebê? Se não, qual a relação entre vocês?Eu ainda continuo com o pai da minha filha, estamos muito bem, porém eu moro com a minha mãe pois moro em São Paulo e ele em Guarulhos, e não vou pra lá de jeito nenhum.. Por enquanto. kk

3- O que sua família achou sobre a gestação? Qual sua relação com a família do pai do bebê?Minha família sempre me apoiando e tudo tive uma ótima gestação.

4- Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?Não penso em ter mais filhos por um enorme tempo.

5-O que mais sente falta depois que se tornou mãe?Sinto falta de sair as vezes quando todo mundo sai e eu tenho que ficar em casa com minha bebe, pois a noite não tem nem como sair né kk mas mesmo assim cada coisa que minha filha faz comigo eu já sei que compensou tudo isso e acabo ficando mil vezes feliz com ela do que se eu tivesse saído.

6- Resuma sua vida em 3 palavras ANTES da gestaçãoMEDO, FELIZ, IRRESPONSÁVEL.

7-Resuma sua vida em 3 palavras APÓS a gestação
ALEGRIA, FELICIDADE, REALIZADA.
8- Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?A única coisa que me deixou abalada foi ter feito 1 ano de faculdade e ter que trancar por ter que cuidar da bebe. Mas Deus sabe o que faz e NUNCA VOU ME ARREPENDER DE TER TIDO MINHA FILHA.



9- Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
Quem não enfrenta preconceitos né? Mas eu nem ligava.

10- O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?Oque eu diria não o que eu falo para as minhas amigas nova.. Ser mãe é a melhor coisa que existe no mundo. Porém a partir do momento que você quiser engravidar pode esquecer que sua vida não será a mesma, ser mãe não é igual brincar de boneca, é totalmente diferente, eu abri mão de muita coisa pela minha filha e não arrependo um segundo de nada que eu fiz, hoje falta 18 dias para minha completar seu primeiro aninho e cada dia é uma nova experiência, e cada nova experiência que eu vou passando eu amo mais e mais a minha filha.

Jéssica, 19 anos atualmente

Oi pessoal, tudo bem com vocês? Uau! Quanto tempo não? Pois é, eu sumi (I'm sorry) eu realmente gostaria de todos os dias passar por aqui, mas é quase impossível pra mim.

Quando escrevi aqui sobre mim eu estava com pouco mais de 20 semanas de gestação, hoje em dia o Heitor já tem 1 ano e 3 meses (passou voando!).
Vim aqui contar sobre tudo que aconteceu até hoje '-'

Bom, minha gravidez foi tranquila, sem nenhum problema de saúde! Eu estava esperando por um parto normal pois não teria escolha, faria pelo SUS!
Chá de bebê com 34 semanas
Todos os dias eu rezava para aguentar a dor, morria de medo.
Quando completei 7 meses meu pai me perguntou se eu gostaria de ter o Heitor numa maternidade particular, na hora eu disse que sim, pois assim teria como escolher o parto.
Fui pra São Paulo para começar a passar com o médico que faria meu parto!

Eu não era muito informada, não pesquisei o que seria melhor, apenas disse que queria cesárea e assim marcamos para o dia 09/04/2013.

No dia em que marquei a data tive a certeza que faltava muito pouco, saí sorrindo, era uma emoção que gritava no meu peito e eu queria gritar para todo mundo na rua que meu filho chegaria em 16 dias *-*

Fiquei super tranquila, a ansiedade era bem controlada.
36 semanas
Com 36 semanas comecei sentir algumas contrações, dores nas costas, foi do leve para o insuportável em uma madrugada. Corri para a maternidade com meu tio. Chegamos lá e eu estava com 2 dedos, me deram um remédio na veia e pediram para eu voltar pra casa e esperar.
Passou! Ufa!

No dia 08/04 eu comecei me preparar, fui comprar o restante das coisas que faltavam para mim, fui fazer unha e minha mãe o cabelo. Não deu nem tempo de sentir ansiedade, na volta do salão o carro quebrou numa avenida super movimentada (Óh Deus), ficamos lá até ás 22h30min. Quando cheguei na casa da minha avó já era bem tarde e eu fui terminar de arrumar as coisas. Não dormi!

Iria me internar ás 3h da manhã do dia 09/04, e estava tudo certo para meu pai me buscar. Ás 1h30 ele me ligou desesperado porque o carro não queria pegar. Pulei da cama e fui chamar minha tia. E lá fomos pro sentido contrário buscá-lo kkkk
Eu não lembro muito bem do caminho, eu estava em transe de felicidade kkk
Deu certo, conseguimos chegar na maternidade á tempo *-*

O processo de internação foi rápido e logo subi pro quarto, me preparei e a ansiedade começou a tomar conta.
Ás 5h me trouxeram a tal camisolinha feia que fica com o bumbum pra fora kk, ás 5h30 ouviram o coraçãozinho do Heitor e ás 6h um enfermeiro veio me buscar.


Quando me sentei naquela cadeira de rodas tudo começou, era um mix de sentimentos, medo, ansiedade,
emoção, amor, aflição...
Fiquei irreconhecível, queria falar com todo mundo, não parava de falar kkkk (eu não sou assim com pessoas estranhas, isso foi o efeito do nervosismo).
Assinei uns papéis numa salinha, esperei uns 30 minutos e me chamaram. Iria começar *o*

Fui para a sala cirúrgica, lembro que o número era 6 kkk
O lugar era bem claro, não me deu medo. Quando vi meu médico fiquei mais tranquila.
Me colocaram num soro.
Sentei para fazer a anestesia, fiquei em choque não pela dor (eu sabia que não iria doer), mas por não ter controle sobre aquilo, não podia ver (óbvio) e isso me deixou inquieta. Fiquei saindo da posição e o médico já queria desmarcar, foi aí que parei, respirei e tentei não me mexer. Quando senti a pressão nas costas eu sentia meu corpo se contraindo involuntariamente, mas deu tudo certo!

Logo senti minhas pernas quentes, pesadas e formigando (AMEEEEEEIIII) kkk
Deitei rapidamente, colocaram a sonda (ufa, não senti nada) e começaram o puxa puxa.
O pessoal que assistiria o parto pelo vidro (minha mãe, minhas duas avós e minha tia) chegaram, eu só via a sombra porque não tinham liberado a janela ainda! Comecei a me emocionar, mas segurei o choro!
Em coisa de 2 minutos mandaram meu pai entrar e liberaram o vidro.

Sentia o médico mexendo dentro de mim, mas não doía. Do nada senti uma falta de ar absurda, uma pressão muito forte no peito eeeeee... "-Parabéns mamãe!"
Aí a felicidade transbordou em meus olhos, via toda a emoção do pessoal lá fora e só queria que aquele momento fosse eterno! Escutei o chorinho mais lindo, e não era só o choro que era lindo, ele era perfeito.

Quando trouxeram ele pra mim eu só beijava e dizia "te amo, te amo, te amo, você é lindo filho"

Foi o momento mais incrível da minha vida!
O Heitor nasceu com 2,740kg e 46cm ás 7h14min do dia 09/04/2013


Depois disso tudo o meu pai saiu, minha família foi ver o Heitor no telão e eu? Eu fiquei sozinha na sala, sentindo uma coceira enorme no nariz e com os braços sem poder mexer, uma tortura.
Passou quase uns 40 minutos e me levaram pra sala de recuperação, lá tinham várias mulheres.
Tive uma reação alérgica, empipocou meu corpo inteiro e tiveram que aplicar uma medicação que me deu muito sono e dormi, o tempo passou rápido.

Ás 11h fui para o quarto e em 20 minutinhos o Heitor chegou, amamentei e ele pegou certinho.
De lá pra cá foi só mil e uma maravilhas kkkk sóquenão!

Na maternidade foi tudo perfeito, recebi muitas visitas, o tratamento foi maravilhoso e o Heitor não deu trabalho.
Tivemos alta e no outro dia voltamos para o litoral :)

O tempo passa voando, são muitas novidades, muita coisa nova, muitas fases que os bebês passam...
Hoje ele tem quase 1 ano e 3 meses, apronta muito, me dá muitas alegrias e muitos cabelos brancos kkk
Quem quiser continuar acompanhando cada fase é só seguir o blog direcionado á ele, estou me esforçando para sempre atualizar! http://nossopequenoprincipe2013.blogspot.com/




1- No momento em que viu o positivo, o que passou pela sua cabeça?
AAAAAAAAAAAAH! FOOODEUUUU! COMO ASSIIM??? TÁ ERRADOOO!!! EU GRÁVIDA? NÃO PODE SER! ESTOU FERRADAAAAA!
Chorei, dei risada, não caiu a ficha!

2- Continua com o pai do bebê? Se não, qual a relação entre vocês?
Não! Brigávamos demais, ficamos um bom tempo sem nos falar. Até um dia que decidi parar com aquela putaria, chamei ele no whats e entramos nu acordo. Hoje em dia nos "damos bem", conversamos sobre várias coisas, quase todos os dias, mando fotos e vídeos do Heitor, ligo a webcam pra ele ver o pai dele e etc. Está tudo bem pro bem do nosso filho.

3- O que sua família achou sobre a gestação? Qual sua relação com a família do pai do bebê?
Minha família super me apoiou, me ajudaram em quase tudo e ainda me ajudam! Não tenho contato com ninguém da família dele, nem pretendo!

4- Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
Uma mulher adulta já tem maturidade, responsabilidade e estabilidade. Para a adolescente ela tem que criar tudo isso em 9 meses, é muito mais difícil. Uma jovem tem que abrir mão de muitos sonhos, planos e etc!

5-O que mais sente falta depois que se tornou mãe?
Sinto falta de sair, de não ter hora pra voltar, de não depender de ninguém pra cuidar do Heitor pra eu poder tomar um simples banho kkk, de dormir sem ser interrompida e sem dúvidas de não ter responsabilidade nas costas.

6- Resuma sua vida em 3 palavras ANTES da gestação
Rolês, Imaturidade, Liberdade.

7-Resuma sua vida em 3 palavras APÓS a gestação
Amor, Recompensa, Responsabilidade.

8- Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
Eu tenho muito medo do mundo em que ele vai enfrentar, eu espero que ele não se desvie nos caminhos tortos que existem por aí. Vou ensiná-lo o caminho certo :)

9- Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
Sempre tem aqueles comentários ridículos: "Nossa! Tão novinha!" "Ué, cadê o pai?!" "Estragou a vida!"
No começo me sentia péssima, envergonhada, mas logo caiu a ficha que meu filho não era motivo de vergonha e sim orgulho. Apertei o botão do FODA-SE e vivi minha vida!

10- O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?
NÃÃÃÃÃÃOOOOOOO! Eu já tentei alertar algumas meninas que tentaram engravidar, mas algumas não me ouviram. Ninguém vai acreditar no quão é difícil até passar por isso. Só o que eu digo: Filho dá muito trabalho, muito gasto, muita dor de cabeça, eu sei que é recompensador, mas se puder esperar, espere! Curta a vida e muuuuuuuito, pense nisso mais tarde ;)


Leticia

Eu conheci o meu marido na escola... Ele tinha acabado de se formar no 3º EM e eu no 9º ano. O MSN na época nos aproximou nos fazendo virar melhores amigos, mas ele começou a namorar a minha melhor amiga na época. Gostava dele, mas não falava, e quando eles terminaram fomos nos aproximando mais e mais e acabamos ficando.. Dois meses depois me pediu em namoro! Meus pais já o conheciam e adoravam ele rs.


Em julho de 2013 estava com 17 anos, minha menstruação estava atrasada, porém eu não desconfiava de nada, pois no mês anterior tive um escape e não sentia nada (a não ser cólicas, mas eu sentia antes da menstruação vir). Aí meu namorado comprou o teste de farmácia e chegou à minha casa e falou: você vai fazer só para tirarmos a dúvida. Fomos ao banheiro, fiz e na hora que tirei: DUAS LISTRAS! Fiquei sem reação, olhei pra cara dele rindo e fui pro quarto. Sentei na cama, comecei a chorar de desespero enquanto ele continuava no banheiro pra ver se era verdade rs.. Ele voltou me abraçou e disse que nossa vida tinha começado a mudar! Ele teve que voltar a trabalhar e eu fiquei o dia todo olhando pra minha barriga tentando acreditar. Não satisfeita, pedi pra ele comprar outro exame, na hora que fiz... duas listras novamente!!! Aí não satisfeita ainda, rs, fui no laboratório para confirmar e saiu o resultado: 5/6 semanas! Minha gravidez foi hiper tranquila! Vomitei uma vez apenas de nervoso quando fomos contar aos pais dele, fora isso não mais. O semestre da minha faculdade acabou em novembro e eu estava de pouquinho tempo, então curti mais minha gravidez descansando já que não trabalhava. Nesse primeiro semestre minhas aulas voltariam em fevereiro e minha bebê estava prevista pra março, então tranquei a faculdade e irei retornar somente em agosto.
Casei no civil dia 30/11/2013 e no religioso dia 14/12/2013. Não casei obrigada, muito pelo contrário, antes de descobrir da gravidez já fazíamos planos pra casar dentre 2 anos. Foi mais um sonho realizado! O parto foi cesárea marcada no dia 08/03/2014. Meu marido e minha irmã assistiram o parto! No começo tinha medo da anestesia, que confesso que nem senti! Depois comecei a sentir uns enjoos e minha pressão foi caindo.. não me lembro muito bem do parto (ainda bem que o maridão filmou rs). Enfim, minha bebê nasceu as 08:06h no Hospital e Maternidade Santa Catarina – SP pesando 2.935kg e medindo 47,5cm com Apgar 8’9. A vida de mãe é a melhor coisa do mundo! Fui abençoada com uma princesa saudável e super boazinha!!! Dorme que é uma beleza, com quase 4 meses dorme mais do que fica acordada rs.. Por enquanto cuido da casa, da bebê, do marido e de mim rs! São muitas responsabilidades, educação e amor é a minha prioridade!


1- No momento em que viu o positivo, o que passou pela sua cabeça? 
Meu Deus.. é isso mesmo???? Eu to grávida??? O que eu vou fazer da vida???? Meus pais.. meu namorado.. e só olhava e alisava minha barriga pensando como seria minha vida...

2- Continua com o pai do bebê? Se não, qual a relação entre vocês? 
Sim, casamos e estamos morando na nossa casinha.

3- O que sua família achou sobre a gestação? Qual sua relação com a família do pai do bebê? 
Os primeiros a saberem foram meus sogros, eles não sabiam se entravam em desespero de medo ou de felicidade rs. Logo depois não tinha coragem de contar aos meus pais, então fui almoçar com minha irmã e meu marido e contei pra ela.. Ela só chorava e falava: o que vamos fazer? Enfim.. ela foi a mediadora de tudo isso. Chamou minha mãe para tomar café da manhã (e incrivelmente esse dia eu passei mal e estava no PS com crise de bronquite) e contou da gravidez; chegando em casa minha mãe falou para meus pais, irmão e minha tia. Quando voltei do PS morrendo de medo todos já sabiam.. fui recebida com abraços e palavras de apoio, afinal não é fácil engravidar na adolescência. Meus pais me deram várias opções, e escolhi a de casar e ir morar com meu marido no nosso canto. A família do meu marido é muito legal, nos damos super bem e amam a neta (a primeira!!!)



4- Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta? 
A diferença para mim são duas: físicas e mentais. Apesar de eu ter sido mãe na adolescência, tenho a consciência de que não era a hora. Nenhuma menina está preparada ainda para gerar uma vida aos 13/14/14/16/17/18/19/20 anos. Não tem preparação tanto física como psicológica.

5- O que mais sente falta depois que se tornou mãe? 
Sinto falta de dormir 13 horas seguidas, rs. E de sair pra namorar com meu marido sem ter hora pra voltar!

6- Resuma sua vida em 3 palavras ANTES da gestação 
Sempre fui tranquila.

7-Resuma sua vida em 3 palavras APÓS a gestação 
A vida recomeçou!

8- Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho? 
Pretendo seguir alguns passos que minha mãe seguiu comigo, sempre fui uma filha caseira, nunca fui em balada e sempre respeitei meus pais. Pretendo ter a criação com apego, livre de palmada desnecessária e com muito amor!

9- Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso? 
Preconceito direto não, mas olhadas tortas sim. Não me importava afinal o que estava dentro de mim sempre foi muito mais importante do que as opiniões alheias.

10- O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce? 
Apesar de ter sido mãe cedo, aconselho a não planejarem. Estudem, trabalhem, ganhem dinheiro, sustente-se sozinha sem depender de marido nenhum para comprar um absorvente, curtam a vida, namorem, beije, ame e aí sim se avalie psicologicamente e fisicamente se estão preparadas para ter um bebê. A maternidade não é somente um mar de rosas! Passamos por momentos difíceis.. E uma criança não é que nem boneca, que quando não queremos mais colocamos na prateleira e deixamos pegar pó. Uma criança requer cuidado e dedicação 24h por dia, e 100%!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Jéssica Caroline


Primeiramente quero agradecer meus pais por terem ficado ao meu lado sempre que precisei, na minha gravidez inteira, e ate hoje me ajudam no que for preciso, são essenciais em minha vida! E em segundo para o amor da minha vida, que a dois anos e dois meses atrás conheci uma pessoa maravilhosa que me deu anjo, que nos trouxe a paz no nosso relacionamento, quero te dizer que apesar de tudo que passamos juntos, coisas boas e coisas não tao boas, nós nos mantemos forte e fomos ate o fim e chegamos ate aqui quero dizer que te amo e sempre vou estar com você ! Obrigada por me fazer a mulher mais feliz do mundo ao seu lado!


Meu nome é Jéssica Caroline, tenho 16 anos e vim contar minha história...


Vamos começar, conheci o pai do bebê na igreja, fazíamos parte de um grupo de jovens da igreja católica, tinha 15 anos e ele 21.
No dia 19.05.2012 fomos para a casa de uma amiga nossa que fazia parte também desse grupo, lá aconteceu o nosso primeiro beijo. Os tempos foram passando e agente se apaixonando cada vez mais.. E no mês que iriamos completar um ano de namoro, minha menstruação atrasou, esperei ate o terceiro dia e falei a ele, no dia seguinte ele pediu pra que eu fizesse o teste e foi trabalhar, pedi pra minha irmã ir compra e pra minha surpresa e dela deu positivo.. Falei a minha mãe e por eu ser muito nova brigou de montão , e fui no dia seguinte com uma amiga no hospital para ter certeza, fiz e novamente deu positivo, estava tão nervosa e aflita por estar gerando um ser dentro de mim, e quando estava saindo liguei pra minha mãe e contei, ela brigou novamente comigo, mais ao mesmo tempo estava feliz! Para eu contar pro meu pai que já foi difícil, não sabia como, mais meu namorado que na época me ajudou, ele foi bastante compreensivo não esperava essa atitude dele.
E logo depois meu namorado veio morar comigo.
Minha gravidez, foi bastante agitada pois meu relacionamento estava em crise, e muitas coisas aconteceram, tive muita infecção urinária, e na penúltima ultrassom meu bebê atravessou, foi quando eu levei a medica minha obstetra e ela pediu pra que eu marcasse o parto e eu já com 35 semanas, chegando em casa a primeira coisa que fiz foi ligar no meu convênio pra estar agendando a cesária, liguei e eles ficaram de me dar o retorno, me deram uma posição quando eu já estava com 39 semanas, mais eu estava sempre
cobrando, e então pediram para que eu fosse em um dos hospitais dele, e fui lá no centro de São Paulo, ( são 1:30h para chegar ate la, moro longe) e então fui já com as malas, com meus pais e fui, andei pra caramba e fui mal atendida no hospital, e acabou que eu fui para um que eu ia sempre quando estava com alguma dor, e cheguei lá tive que refazer todos os exames, fiz e lá estava ele encaixado e no cardiotoco constatando que estava cheia de contrações, e fui internada por esse motivo e por ter sangrado quando a medica foi fazer o exame de toque. Fui internada e fiz a cesária por causa da infecção, das contrações que não estava sentindo nenhuma e porque não tive dilatação.
O parto ocorreu tudo bem, meu príncipe nasceu as 00:37, com 49,5 cm e pesando 3.360k, que se chama Pietro Henrique Santos Costa. minha mãe me acompanhou a gravidez inteira e foi ela quem assistiu o parto, ( ainda estava em crise meu relacionamento), meus pais ficaram do meu lado e minha mãe ficou me acompanhando na maternidade. A primeira vez que vi meu filho foi uma mistura de emoção e sentimento, não conseguia para de chorar, foi a maior experiencia de todas já vivida.
Hoje como mãe eu digo que foi a melhor coisa que podia ter me acontecido, por mais que seja corrido o dia-a-dia pois ainda estudo.
Mal tenho tempo pra fazer as coisas de casa, tento aproveitar o máximo com meu filho pois o tempo passa rápido de mais. Hoje essa crise do meu relacionamento acabou e sou super feliz com o pai dele, moramos juntos ainda e amo ele demais, e em primeiro meu filho (Claro). Ser mãe é a melhor coisa do mundo !


1- No momento em que viu o positivo, o que passou pela sua cabeça? R. A primeira coisa que me passou pela cabeça foi como meus pais iriam reagir, fiquei muito assustada e não acreditava naquele positivo.


2- Continua com o pai do bebê? Se não, qual a relação entre vocês?
R. Sim, continuo com o pai do bebê, amo ele e me dou super bem com ele .



3- O que sua família achou sobre a gestação? Qual sua relação com a família do pai do bebê?
R. No começo foi difícil, mais depois eles aceitaram, meus pais não sabiam oque dizer pois sempre me alertava quanto a esse assunto .. a minha relação com a família do meu marido é ótima, considero como meus pais e irmãos .!


4- Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
R. Na adolescência é que você fica meio perdido, não sabe oque fazer, não tem experiencia, já na vida adulta é ao contrario, você já tem experiencia sabe cuidar..


5-O que mais sente falta depois que se tornou mãe?
R. Sinto falta da liberdade que tinha antes, de ter um tempo sozinha, de sair com o namorado.. Mais tinha uma vida tranquila.

Hoje o Pietro Henrique
está com 4 meses.
A mamãe está aproveitando
cada fase.
6- Resuma sua vida em 3 palavras ANTES da gestação
R. Amigos, família e estudos.


7-Resuma sua vida em 3 palavras APÓS a gestação
R. Amor, família e paz.


8- Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
R. Minha expectativa para a educação para meu filho, sera tudo do bom e do melhor.


9- Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
R. Sim, sofri por eu ser muito nova, não que caíram aos meus ouvidos mais pelo jeito que as pessoas me olhavam e me olham , tratei isso sem nenhuma importância , pois pensava sempre em meu filho pois sabia e sei que sou capaz de cria-lo.
Está é a família da Jéssica Caroline 



 
10- O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação
precoce?
R. Para que elas aproveitem ao máximo antes de fazer um filho, pois é muita responsabilidade para uma pessoa nova sem experiência, pense antes de qualquer coisa.


Jaqueline Trevisan

Sou Jaqueline, tenho 17 anos e vou contar minha história para vocês...




Bom , engravidei aos 16. Tenho uma linda pricesa chamada Laura , ela tem 6 meses. Conheci o pai da baby por amigos , e acabamos ficando em um show, mais já paquerava ele a mais ou menos um ano e estamos juntos há quase 4 anos.

A primeira suspeita de que alguma coisa estava mudando , foi quando fui fazer um simulado do Enem e o ar condicionado estava ligado ,e meus seios não paravam de formigar. Comecei ir ao banheiro constantemente , rs , e minha menstruação estava atrasada a uma semana, mais como trabalhava num posto de saúde , e a minha enfermeira chefe também estava grávida , já me alertou , foi quando fiz um exame de sangue e descobri minha gravidez.

Minha gestação foi meio complicada, pois minha princesa estava com suspeita de problemas no coração, mas graças a Deus não passou de um susto!

Fui muito mimada e não passei vontade de nada.
Meu parto, infelizmente, foi cesária, minha baby estava sentada e só estava com dois dedos de dilatação. Após a cirurgia , meu útero não contraia , então , o sangue não estancava , fique quase 8 horas na sala de recuperação. Quando fui para o quarto , aprendi a dar banho , e amamentei pela primeira vez s2. Hoje sou a mulher mais realizada desse mundo , ainda moro com meus pais , pois minha casa ainda não está pronta , minha família me ajuda muito , o pai , mais babão não existe , ele da banho e troca fralda rs. Mesmo cansada , dou o meu melhor pra ela.

1- No momento em que viu o positivo, o que passou pela sua cabeça?
R. Pensei que minha mãe iria me matar , pois ela também teve filha muito nova , mais ela reagiu bem , e depois de três dias após a noticia , já veio cheia de mimos.


2- Continua com o pai do bebê? Se não, qual a relação entre vocês?
R. Sim , nos casamos , aos seis meses da minha gestação .


3- O que sua família achou sobre a gestação? Qual sua relação com a família do pai do bebê?
R. Pegamos eles de surpresa , mais agiram bem , com uma alegria imensa , pois ela é a primeira neta de ambas as partes.


4- Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
R. Na vida adulta , normalmente , já tem uma profissão , um curso superior , e seria um pouco mais fácil , já na adolescência dependemos ainda dos pais , paramos , principalmente nós mulheres, pois temos o pós parto , e não somos “capazes” de cuidar de tudo.


5-O que mais sente falta depois que se tornou mãe?
R. Um tempo a sós com meus esposo , de dormir ate cansar , de tomas banho cedo , rs 6- Livre leve solta.

6- Resuma sua vida em 3 palavras ANTES da gestação
R. Livre leve solta.


7-Resuma sua vida em 3 palavras APÓS a gestação
R. Uma mulher realizada



8- Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
R. Nada contra a educação publica , pois me formei nela, mais quero dar o melhor pra ela , para que possa ter muito mais oportunidades


9- Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
R. Sim , fui humilhada indiretamente ,no começo não queria espalhar a noticia , so que sertãs pessoas ficaram sabendo , e um gay , pergunto bem alto na sala de aula para uma amiga dele se ela estava grávida “ , e ela respondeu : "Eu em, Deus me livre"
Na escola duas psicólogas estavam fazendo seu TCC com os alunos do ensino médio, e estava aberta para conversas, foi quando desabafei, chorei , só que ela me fez rir respondendo desse jeito: "Não liga ,se ele falou isso, é porque ele queria ser mulher só pra ter sorte em ser mãe, mas ele não pode!"

10- O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?
R. Pense muito bem , pois será difícil , mais não tenha medo , não é o fim do mundo , tudo tem suas dificuldades , mas cada sorriso , cada evolução , cada aniversario , vale-rá muito a pena

Facebook: https://www.facebook.com/jakiiew

Kananda Mayara, 18 anos

Meu nome é Kananda Mayara tenho 18 anos e vou contar um pouco da minha historia...

 
Eu conheci o meu marido na minha infância quando ele se mudou para morar na casa ao lado da minha. Eu tinha uns 9 anos e ele uns 15. Minha infância foi brincar com a irmã mas nova dele que é um ano mas velha do que eu. Ele meu pai ficaram super amigos, são até hoje, uns 5 anos depois ele se mudou mas continuava no mesmo bairro. Ele nunca deixou de frequentar minha casa porque era amigo do meu pai.
Quando eu tinha 15 anos ele viajou com minha família para passar o ano novo conosco, passamos o ano na igreja e quando saímos de la fomos pra uma festa na casa da minha tia e pra ir da casa da minha avó ate a casa da minha tia, tínhamos que passar por uma rua muito escura, e nós estávamos conversando, eu pensei que ele estava querendo ficar com minha irmã, ai eu falei, Everton mulher gosta de homem que tem atitude, ele virou e me deu um beijo, de la fomos para outra festa onde ficamos, foi perfeito.... dai voltamos pra nossa cidade e dias depois eu tive que voltar pra casa da minha avó pq meu avô tinha falecido e minha mãe fez com que eu ficasse la pra passar um tempo com minha avó, nesse meio tempo das ferias minha irmã disse a minha mãe que estávamos a namorar e logo meu pai fez com que namorássemos no dia 26 de janeiro de 2011 ele falou com meu pai, namoramos por um ano e oito meses, acabamos pq ele começou a trabalhar de noite e passou muito tempo sem vim me ver 3 meses eu acho.... mas nunca deixamos de nos falar pq ele sempre frequentava minha casa, ele e meu pai ainda continuavam amigos... nesse tempo que ficamos separados entramos em outros relacionamentos... mas por ele ter sido meu primeiro namorado eu queria ele, dai em junho de 2013 ele comprou dois ingressos para um show que iria ter aqui em Recife que é o Forro da capita e la ficamos de novo e ele pediu pra voltar e nós voltamos..... sempre pedi um filho a ele porem queria me perder com 18 anos... não aguentei e com um mês antes de completar maior idade aconteceu... tentamos e tentamos muitas vezes ter um bebe e agora em fevereiro de 2014 eu engravidei, estava muito feliz ate quando descobrir que no carnaval de 2014 ele me traiu.... fiquei em depressão não queria me levantar da cama e nem sair na rua, e quando eu saia via que muitas pessoas me olhavam torto e falavam mal de mim, e por mas uma vez voltei a me trancar em casa, chorava todas as noites foi terrível, começaram a me mandar sms em anonimo da web falando que ele estava com ela que ele não tinha deixado de ficar com ela e foi quando eu tomei coragem e peguei o numero da garota pra tirar minhas duvidas porque ele nunca assumiu a traição.... falei com ela e ela realmente falou o que aconteceu, no mesmo dia liguei pra ele e falei "Venha hoje a noite falar ao meu pai que esta tudo acabado" e ele chorou disse q não ia vim falar com meu pai pq me amava e que era comigo que ele queria viver... apesar de não ter mas confiança nele ainda o amo.. no momento estou no fim do 4º mês de gestação e estamos bem.

1. Após engravidar o que mais mudou em sua vida?
R. Meus pensamentos, meu jeito de ser, meu coração mudou!

2. Se arrependeu de ter engravidado ou de algo em relação? Pensou em aborto, adoção ou alguma maneira de não ficar com o bebê?
R. Depois que descobrir a traição pensei sim em aborto, pos não aceitava traições mas vi que meu bebe é tudo pra mim

3. Qual sua relação com a família do pai do bebê? E a sua família?
R. Ótima sempre me trataram muito bem, e minha família aceitou numa boa

4. Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
R. A responsabilidade que na adolescência não temos e com a gravidez temos que ter de todo jeito

5. Descreva sua vida antes da gestação (3 palavras) e sua vida após a gestação (3 palavras).
R. Estudar, cuidar das coisas do meus pais e estudar

6. O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?
R. Pensem muiiiiito antes de engravidar muitas coisas que faziam não vão fazer mais, filho não é brinquedo

7. Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
R. Me esforçar para educá-los como fui educada

8. Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
R. Uma única pessoa me rejeitou, uma amiga da escola, ela falava que só queria o melhor pra mim, brigamos e falei pra ela que eu sabia o que era melhor pra mim.

9. Ser mãe é?
R. Ser mãe é permitir que ele cresça e aceitar o facto de que algum dia irá partir... Ser mãe é amar, acarinhar, aconselhar, escuta e compreender...

10. Por meu filho (a) sou capaz de?
R. Dar a minha vida.


sexta-feira, 16 de maio de 2014

Amamentação X Desmame

Olá meninas que acompanhavam o blog, primeiramente desculpa a ausência, muita coisa aconteceu desde a última vez que postei aqui até hoje. Eu escrevi aqui quando ainda estava grávida, pois é, o Heitor já nasceu e já tem 1 ano e 1 mês!
Decidi voltar após a ideia da minha amiga Tamiris, de fazermos parceria e voltar com tudo !!! Toda semana postaremos algo novo aqui. Dúvidas de mamães, gravidinhas e até mesmo sobre nós, mamães. Afinal, merecemos né ?!
Esse post é ideal para mamães de primeira viagem, seja com bebê recém-nascido ou maiorzinho. Então vamos lá ?!

"Algumas pessoas pensam que para quem defende a amamentação continuada a palavra "desmame" é proibida. Isto está bem longe da verdade. Gosto de tratar o assunto com o cuidado e a profundidade que ele merece. Já que há tanto envolvido, para se falar em desmame não se pode ser superficial, não dá para ser simplista. É preciso entender que desmame e amamentação não são assuntos separados, não são coisas diferentes ! Desmame é uma parte do processo, é uma parte da história, é a parte final da história de amamentação ! E acredito que quanto mais falarmos sobre desmame melhor será, pois iremos compreender cada vez mais sobre tudo que envolve a amamentação. A amamentação deve ser exclusiva até os 6 meses e continuada por até dois anos ou mais.  Existem muitos estudos que comprovam os benefícios da amamentação por vários anos, existem estudos sérios que comprovam que o leite materno não "vira água" após 1 ou 2 anos, na verdade, o leite materno continua sendo rica fonte de nutrientes e anticorpos por todo o tempo que durar a amamentação. Vale lembrar que o desmame natural existe, um desmame em que mesmo sem sofrer interferências, mesmo sem sofrer reprimendas e sem ter seu acesso ao peito negado, a criança vai diminuindo as mamadas aos poucos, até que deixa de mamar definitivamente. A criança vai encontrando, com a ajuda da mãe, outros meios de se sentir consolada, protegida e segura, vai encontrando outros meios se conectar com a mãe, substituindo cada vez mais o peito por abraços, carinhos, beijos, brincadeiras, danças, palavras, etc. O leite materno continua sendo o principal alimento do bebê até pelo menos 12 meses, e é fato que algumas vezes os bebês realmente gostam de mamar mais do que gostam de comer, mas é falsa a idéia de que passam fome porque "só" mamam. Aos poucos, conforme vão conhecendo outros alimentos, de preferência saudáveis, frescos e livres de industrializados, eles vão se interessando por outras fontes de nutrição além do peito. E podem continuar sendo amamentados sem nenhum problema, na verdade, obtendo muitos benefícios físicos e emocionais. Depois de ter realmente avaliado suas verdadeiras razões, se a mãe decide desmamar seu filho, se ela, por suas razões, não quiser esperar pelo desmame natural, ela deve conduzir o desmame de forma gradual, respeitando o tempo da criança, nunca abrupto, negando ou criando artimanhas e estratégias para manter o peito inacessível. Mas eis que entre os piores métodos que se usa para desmamar uma criança, está a técnica do "mamá dodói". Quem nunca ouviu falar de alguém que desmamou um bebê dizendo que o mamá estava dodói, machucado ou doente ? E que para tornar mais convincente a estratégia, usou de curativos, faixas, band-eids, tintas vermelhas simulando sangue, pequenas encenações de dor ? Eu levo em conta os vários casos de gente que usou desta "técnica" e diz que o filho não ficou traumatizado, mas alerto que o trauma advindo deste tipo de desmame poderá refletir na vida adulta ! Pode-se trocar o leite pelo suco, por leite de vaca, ou por qualquer outro alimento, mas o peito também é a sensação de segurança, afeto, aconchego e prazer, e isso não pode ser simplesmente ignorado ou retirado abruptamente. Existem pessoas que não se acham merecedoras de coisas boas, ou estão sempre temerosas de que quando algo bom acontece logo algo ruim tb acontecerá, pessoas que não creem que aquilo que acontece é bom "de verdade", nunca conseguem simplesmente desfrutar das boas coisas. Pessoas que não conseguem sentir prazer sem sentir medo ! Estão sempre desconfiadas e/ou com medo. A ansiedade está sempre presente. Pessoas assim acabam deixando passar oportunidades, não conseguem se entregar verdadeiramente em um relacionamento, não conseguem manter a mente positiva. Não conseguem desfrutar da alegria por medo de que algo ruim aconteça. Pessoas que não lidam de forma positiva com o prazer. Pessoas que se encaixam neste perfil podem ter em comum que foram desmamadas através da história do "mamá doente", do "mamá machucado". Pessoas que quando bebês/crianças tiveram o peito, que era fonte de alegria, prazer e carinho, tirado e transformado em fonte de doença, ferimento, coisa ruim ! Colocar band-eid, esparadrapo, passar remédio no peito, ou pior: deixar a criança provar do peito com alguma substância de gosto ruim, pode causar tudo isso no futuro !  Para alguns, isso nem contará como parte das lembranças, ou realmente não interferirá de modo algum em sua vida. Mas podemos afirmar que é um risco. Se não se convencer pelas hipóteses de prováveis futuros problemas, se não quiser ouvir falar em danos psicológicos, se quiser ignorar os riscos, este é um direito seu que eu compreendo. Para algumas pessoas, decidir algo hoje pensando no que pode acontecer daqui 20 ou 30 anos pode soar absurdo, e eu realmente compreendo isso. Portanto, se esta linha de "prevenir algo incerto" não lhe agrada, sugiro que a gente use uma outra linha de raciocínio para entender as razões para esta técnica não ser adequada, pense apenas nos fatos: podemos afirmar que dizer que o peito está dodói e usar de artimanhas e encenações para convencer a criança de que isso está acontecendo é uma MENTIRA. E certamente não é este o tipo de relação que você quer criar com seu filho, não é mesmo ? Sem falar que é privar de uma hora para outra, o acesso da criança a algo que é importante para ela. Para isso basta que pense em algo que goste, que lhe seja muito importante, e que esteja habituado a ter, e imaginar como seria se lhe tirassem isso de uma hora para a outra, por conta de um problema sério que nada tem a ver com você. É sem dúvidas, causar sofrimento, ansiedade, preocupações (que não são por um motivo real) e tristeza para a criança. Preciso ressaltar que o uso desta técnica não tem nada a ver com a mãe avisar o bebê ou criança que o jeito dela mamar pode estar machucando seu seio. São coisas absolutamente diferentes. Levando em conta que a amamentação é uma relação íntima e profunda entre mãe e filho, tudo que diz respeito a esta relação deve ser comunicado ao bebê/criança, obviamente levando em conta o grau de entendimento da criança e a linguagem usada para que ela possa compreender. Se o bebê ou criança está mamando de um jeito que causa dor, que machuca, que causa desconforto para a mãe, ela precisa ser ajudada a compreender isso. A criança precisa ser ajudada a aprender a mamar com cuidado, com carinho, sem gestos que causem dor ou incômodo. É preciso que a criança seja avisada e ensinada a como cuidar do mamá. Justamente para que a amamentação seja saudável e alegre para os principais envolvidos. A amamentação é um forte elo, uma das (muitas) maneiras de criar um vínculo poderoso entre mãe e filho, e justamente por isso, a amamentação deve ser sempre fonte de aprendizagem e crescimento para ambos. Poder conversar de forma clara e sincera é estabelecer bases sólidas para o diálogo, e construir uma relação de confiança que existirá para sempre entre mãe e filho. E falar que determinado jeito de mamar, ou determinado gesto é incômodo ou causa dor, é falar a VERDADE, ou seja, muito distante de toda a encenação, de toda a artimanha que envolve a tal "técnica do mamá dodói". Ajudar a criança a entender que precisa tomar cuidado com o peito da mãe ou até pedir para que ela mame menos, é dizer a verdade, dizer que o leite "estragou", que o peito está doente, e por isso a criança não poderá mais mamar, é MENTIRA. Cedo ou tarde a criança saberá que foi enganada, que tudo que viu e ouviu sobre o mamá era uma invenção, uma maneira de enganá-la, uma grande mentira, contada principalmente por quem ela mais ama e confia. Caso já tenha usado desta técnica para tentar o desmame, se ainda houver tempo, simplesmente reconsidere e volte atras, diga que o mamá sarou, e conduza o desmame de outra maneira. Se o desmame já é irreversível, tente focar sua relação com seu filho na verdade e sinceridade, se houver meios ou motivos aparentes, conte a verdade para ele, diga que não sabia que seria ruim fazer daquele jeito, que sente muito e que não mais vai contar mentiras para ele. Eu nunca soube de um único caso em que a amamentação por muitos anos foi um problema na vida da pessoa, mas já vi casos em que o tipo de desmame feito causou prejuízos. Portanto, o problema nem sempre é o desmame, e sim a maneira como ele foi conduzido. Lembre-se, que embora raro hoje em dia, cercado de preconceitos e ignorância, o desmame natural é plenamente possível, a criança vai deixando de mamar aos poucos até que deixa definitivamente, tendo suprido todas as suas necessidades físicas e emocionais, crescendo bem resolvida, e forte emocional e psiquicamente. O mais importante é construir uma relação de confiança com os filhos, e a amamentação pode ajudar muito nesta construção, mas é preciso que os adultos envolvidos sejam atentos, sensíveis e empáticos ao lidar com os bebês e crianças. Confiança se constrói um pouco a cada dia, baseando a relação no carinho, no respeito e na sinceridade. Crianças compreendem muito bem aquilo que dizemos, e compreende.
Por Luzinete R. C. Carvalho ( Psicanalista )"
E aí, gostaram meninas ?! Lembrando que, amamentar exclusivamente até o 6° mês e continuado até os 2 anos, é o ideal. Caso precise desmamar antes, que seja de uma forma carinhosa, amorosa e respeitosa.
A foto belíssima, é da Aline Santo, com seu príncipe Pedro Henrique de pouco mais de 1 ano.

segunda-feira, 25 de março de 2013

Ariane 18 anos

Meu nome é Ariane Falck, tenho 18 anos e vou contar minha história.


Eu conheci o pai do Pedro o Roberto , ele sempre morou perto da minha casa e ele namorava a irmã de uma colega minha de escola, ele sempre tentou falar comigo e pelo fato dele ter namorada eu nunca dei muito ibope . Depois de um certo tempo agente marcou pra sair em Fevereiro de 2011 e nisso tudo continuamos ficando mas 1 mês e nos afastamos e não estava nos vendo como antes , demorou uns 3 meses e eu tava dormindo muito , os peitos grandes e com o meu corpinho super em cima . Dai surgiu que uma amiga da minha tia perguntou se eu estava gravida, e minha tia veio perguntara minha mãe e começou a nervosismos de minha mãe eu estava na escola eu estava com 16 anos , e assim que cheguei em casa a bomba que todo mundo tava falando e eu tranquila porque eu menstruei os 3 meses tudo certinho e peguei e chamei minha mãe pra ir fazer o BETA Dia 03/05. Chegando lá eu estava tranquila brincando e tudo mas , sair vim pra casa e quando deu 14:00 era hora de pegar o resultado ,e tava lá um POSITIVO bem grande. Eu nao acreditei eu gelei , não conseguia chorar , fui correndo pra casa do Beto que estava com 29 anos hoje ele em dia ele tem 31 . Tanto que eu não acreditei que eu chamei ele pra ir fazer outro exame fizemos e deu outro Positivo e minha mãe e minha familia ficou me procurando e eu pela rua sem coragem de voltar pra casa . Só que eu tinha que ir ne minha mãe ja tinha ido na casa de todas as minhas amigas possiveis , liguei pra casa e pedi pra minha mae me encontar perto da clinica. Estava eu , o beto e um colega dele, minha mãe chegou e me falou horroes e ele disse que iria me assumir e assumir a criança mas so que minha mae tava super nervos a e disse que ele teria que falar com meu pai , fui pra casa conversei com minha comadre Eveline e ela me disse vamos querer o que você quiser , Eu disse ele ta aqui e so sai daqui no dia que Nascer .Meu pai não quis conversa com o beto disse que nao queria ele comigo . Que nao ia entregar a filha dele pra uma pessoa que ele nem conhecia e disse que se eu me encontrasse com ele escondido que iria me por pra fora .
Passei poucas e boas pois minha mae nao tava aceitando a minha gravidez estava decepcionada comigo porque nao fui amiga dela pra contar que tinha perdido a virgindade , alais foi uma surpresa pra toda minha familia , No dia dos namorados meu pai me viu triste em casa e disse que se era do beto que eu gostava que eu poderia ficar come ele Fiquei mas do que feliz . fora que a Ex do beto me perseguia , me mandava mensagens me xingando , falava que eu ia ser mãe solteira . E eu me segurando esse tempo todo . O meu fiho nasceu dia 22 de Outubro e o pai dele nao estava presente estava em são paulo . Meu parto foi cesariana a minha mae esteve comigo o tempo todo e o meu Anjo Pedro Henrique nasceu com 3.600 kg e 50 cm o momento mas lindo da minha vida.
Meu filho hoje está com 1 ano e 5 meses e eu e o pai dele não estamos mas juntos.


1. Após engravidar o que mais mudou em sua vida? 
Minha rotina , antes eu saia finais de semana , e agora eu dedico todo o meu tempo para meu filho , mudou também minha forma de pensar e agir . Penso mas nele do que em mim mesma.

2. Se arrependeu de ter engravidado ou de algo em relação? Pensou em aborto, adoção ou alguma maneira de não ficar com o bebê?
Em momento nenhum , Nunca se foi um erro eu teria que concertar. Não mesmo.

3. Qual sua relação com a família do pai do bebê? E a sua família?
Nenhuma , a mãe dele não me aceita e nem aceita meu filho , Meu filho é muito querido por todos da minha familia .

4. Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
Nenhuma , gravidez em qualquer momento é uma benção , Deus sabe a hora certa de conceder um filho .
5. Descreva sua vida antes da gestação (3 palavras) e sua vida após a gestação (3 palavras).
Momento mas inesquecivel ,uma super loucura.

6. O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?
Esperem apesar de ser uma benção , filho não é um boneco.

7. Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
as melhores , a mesma educação que meus pais me deram quero passar pra ele .

8. Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
Não , algumas . As pessoas sempre fazendo assim : ta vendo o resultado de Ariane ? não pode sair tem que cuidar de filho perdeu a juventude va no mesmo caminho dela e veja o mesmo resultado .Negações nenhuma.

9. Ser mãe é?
Saber o que é amor verdadeiro

10. Por meu filho (a) sou capaz de?
De tudo , tudo mesmo

domingo, 24 de março de 2013

Thais 15 anos

Meu nome é Thaís tenho 15 anos e vim contar minha história.


Eu conheci o meu noivo Caíque quando eu tinha meus 12 anos de idade e ele 16, foi através de amigos.
Quando completamos 1 ano e 5 meses ficávamos pensando em ter um filhinho, era um desejo muito grande (isso eu já tinha 14, e ele 18), com 1 ano e 10 meses de namoro eu conseguir engravidar, só que não desconfiava, minha menstruação estava atrasada, mais nunca ela foi regulada, então achei normal, mais comecei ter enjoos constantes, tudo q eu via e sentia me embrulhava o estômago. Meu noivo preocupado comprou um teste da farmácia para mim, que deu POSITIVO, fiquei muito feliz, mais mesmo assim tinha duvidas, porque como todos diziam que o teste da farmácia não era muito confiável.

Aí no dia 31 de Dezembro para 1 de Janeiro, passei muito mal, muito mal mesmo, foi quando corri para UPA e a médica fez o pedido do BETA, fiz urgentemente, quem pegou o resultado foi minha cunhada (irmã do meu noivo), ela chegou aqui bestinha de felicidade, falando o resultado (que eu nesse momento já tinha certeza de qual era).
Contei para meu noivo e ele ficou muito feliz, mais no momento minha preocupação estava voltada só para uma coisa: Contar para minha mãe, eu tinha bastante “medo” dela, pois ela sempre dizia que se isso acontecesse ela não iria me apoiar em nada, o pior é que ela não esta mais morando aqui na Bahia comigo, ela mora em SP. Então sem pensar muito liguei para ela e disse de uma vez só, ela chingou bastante, e eu chorando claro, pois percebi q ela havia ficado triste comigo, ai tudo bem desligamos o celular. Mais tarde ela me ligou super diferente, ela já estava conformada, e isso foi ótimo para mim.
Hoje tenho 15 anos e meu noivo 19. 
Hoje meu bebe ( que ainda não sei o sexo) já tem 22 semanas, não me arrependo de ter engravidado, se pudesse voltar faria de novo. As reações em minha gravidez são muito sentimentalista, qualquer coisinha eu choro... 
Mas se alguém fala em tom diferente comigo, fico muito irritada.

1. Após engravidar o que mais mudou em sua vida?
Minha rotina mudou bastante, antes eu saia bastante, hj em dia não sinto vontade em ir em lugar algum. E o jeito de agir e sentir com as pessoas, antes qualquer coisinha levava na brincadeira, hj qualquer coisa me atinge, me deixa triste ou nervosa.

2. Se arrependeu de ter engravidado ou de algo em relação? Pensou em aborto, adoção ou alguma maneira de não ficar com o bebê?
Não me arrependi de nada do que eu fiz, se pudesse voltar, faria de novo. Nunca pensei em aborto em minha vida, e nunca iria pensar nisso, não irei colocar meu bebe pois quero muito ele.

3. Qual sua relação com a família do pai do bebê? E a sua família?
A minha relação tanto com a família do meu noivo, quanto com a minha é muito boa, todos me apoiam, e demonstram bastante felicidade.

4. Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
Em minha opnião, algumas adolescentes ainda não tem a maturidade necessária para cuidar de um bebê, e as vezes elas não tem apoio nem da família nem de ninguém, muitas vezes elas ficam “jogadas” sem ninguém para ajudar, (Que não é o meu caso) tenho plena consciência de minha responsabilidade, e tenho o apoio de todos, diferente de muitas, não deixarei a responsabilidade em cima da minha mãe, nem da minha sogra, eu acho assim se se a gente que fez a criança, quem tem que cuidar somos nós mesmos . Já os adultos, mesmo sem apoio de ninguém, por já ter ser próprio trabalho, pode muito bem cuidar de um bebe ate sozinha.

5. Descreva sua vida antes da gestação (3 palavras) e sua vida após a gestação (3 palavras).
Antes da gestação: sem preocupações, alegre,e irresponsável  Depois da gestação: continuo feliz, mais com bastante preocupação, e muita responsabilidade.

6. O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?
Que isso é algo que pode esperar, eu não me arrependo de ter engravidado, mais sei que a responsabilidade é muito grande, e a liberdade que tínhamos antes depois ela vai diminuindo mais e mais. Mais não larguem o estudo ( eu não irei largar), pois é uma coisa muito importante em nossa vida, e podemos ser exemplos para nossos filhos se conseguimos continuar os estudos com eles no braço.

7. Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
Pretendo dar tudo de mim para ele(a) ser uma pessoa bem educada...

8. Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
Sim. Sofro bastante preconceitos, ate em hospitais por médicos mesmo. Mais simplesmente fingir que nada aconteceu, porque falar é fácil, quero ver eles pagarem o enxoval completo do meu bebe... Nunca abaixei a cabeça para ninguém.

9. Ser mãe é?
É ter o coração vivendo em outro corpo.. é amar e ser amada eternamente....

10. Por meu filho (a) sou capaz de?
Matar, morrer, sofrer, passar fome, sede e frio... sou capaz de QUALQUER COISA para poder ver meu filho feliz...

Layna 18 anos



Oi. Meu nome é Layna, tenho 18 anos, moro no Rio de Janeiro e tenho um filho de 1 ano e 7 meses chamado Ryan Enzo. E vim compartilhar minha história com vocês!
Conheci o Rafael (pai do Ryan) quando tinha 15 anos, estudávamos na mesma escola, ele era do 3º ano e eu do 1º ano do ensino médio. Começamos a namorar em dia 07/03/2010, e eu descobri minha gravidez em Outubro/2010.

Minha Gravidez:
Quando descobri minha gestação, já estava com quase 3 meses!
Minha mãe estranhou que minha mestruação atrasou por muitos dias, então ela resolveu fazer um teste de farmácia. Quando disse a ela que deu positivo, ela só sabia chorar &' chorar. No inicio foi bastante difícil minha mãe ficou bastante triste e chateada, mais com o tempo ela foi se conformando. Eu e Rafael estavamos separados mais acabamos voltando, e então eu decidi vir morar com ele (na casa da minha sogra). Minhas consultas foram tranquilas, não tive nenhuma doença ou complicamento nem nada do gênero.
Comecei a passar mal com 41 semanas, numa 4ª feira (13/07) , assim que voltei do pré-natal. Não perdi meu tempo indo ao hospital pois minha GO já tinha me dito que eu não tinha NADA de dilatação, na 5ª feira continuei sendo dores horríveis mais resolvi que ia ao hospital só na 6ª. Passei mal a noite toda, não conseguia me deitar e nem dormir de tantas dores nas quais sentia. Passei a madrugada toda sentada, tentando dormir. Andava pela casa, ia toda a hora no banheiro mais nenhum sinal indicava que eu estava em trabalho de parto. Na 6ª feira as 5:10 da manhã, resolvi ir pro hospital pois não me aguentava mais de dores. Chegando lá a médica me deu toque e disse: '' você está no iniciozinho dos 3 de dilatação '' Ela fez uma cara que não precisava me internar, então eu disse: '' Por favor doutora, me interna porque eu tô sentindo essas dores desde 4ª feira! '' , ela olhou pra mim e resolveu me internar . . . Avisei minha sogra & meu namorado, dei tchau pra eles e lá fui eu com a enfermeira pra sala de pré-parto. Chegando lá estava um silêêêêêêêncio, todo o mundo dormindo! A enfermeira me colocou no soro e começou o sofrimento. Tudo o que eu queria, era ir pra sala de parto e ver o rostinho do meu filhote, as 11:00 eu já estava com 6 de dilatação, então resolveram estourar a minha bolsa, eu fiquei cheeeeeeia de medo porque a mulher veio com um pedaço de pau, enfiou e estourou a bolsa! Aê foi a hora que começou a doer mesmo, eu gemiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiia de dores. E quase chorei, pois queria muito que a minha mãe ficasse comigo naquele momento, mais a vaca de enfermeira não deixou! As dores continuaram e continuaram, e eu gemiiiiiiiiia e gemiiiiiiiiiia . . .
Até que veio uma médica boazinha e disse: '' você tá sentindo muita dor, né ? Vamos ver sua dilatação! '' ela pegou a luva e veio até mim, deu o maldito toque e disse:'' É você já está com 10 cm! Levem ela pra sala de parto eu vou fazer o parto dela. '' , ALELUIA. Pegaram minha maca e levaram pra sala de parto. Fiquei morrendo de medo, mais comecei a passar no meu filho. A médica me deu anestesia que doeu e depois fez o corte, aí ela disse: '' Faz força mãezinha! '', e começou eu a fazer força e uma enfermeira me ajudando colocando o braço em cima da minha barriga, e foram 5 contrações e nada do meu filho nascer. Fiquei com medo, porque nem a cabeça do meu filho tinha saido ainda; Veio um médico não sei da onde, e começou a me ajudar, ele colocou o braço em cima de mim e a médica mandando eu fazer força, na 1ª saiu a cabeça do meu filho (fui no céu e voltei); na 2ª saiu o ombro e na 3ª o corpinho *-* . Esse médico salvou a minha vida e me ajudou muito! Ele era o neném mais lindo do mundo *-*
Fui pra quarto, e liguei pro cel da minha mãe p. avisar mais quem atendeu foi a minha tia pois minha mãe já tinha ido embora :(' Afinal, minha mãe estava ali desde ás 6hrs. da manhã ;O' ... Minha sogra, meu namorado e minha tia subiram pra me ver, nooooooossa eu estava mega inchada e azul de fome. Fiquei mais de 10 horas sem comer, né ? Eles viram o meu pequeno, e ficaram tooooooooooodo bobo(a), principalmente o pai! kkk³ , eles foram embora e só ficou minha tia. Afinal eu tinha direito de ter acompanhante pois sou di menor. 2 enfermeiras foram me ajudar a tomar banho, pois perdi muito sangue e estava com fome então eu estava mega tonta! Tomei banho, e fui comer. Coloquei meu filho do meu lado, amamentei e coloquei ele pra dormir foi a melhor noite da minha viiiiiida *-*
Ryan Enzo, nasceu dia 15.07.2011, de parto normal ás 17:37hrs. e pesando 3.750kg.
com 51cm. e CC 38cm.


UTI NEO NATAL:
No domingo, fiquei super animada pois meu filho já tinha 24hrs. e estava '' tudo bem '' . Quando a pediatra veio examiná-lo, viu que ele estava bastante amarelo e fez um teste de sangue. Pra mim não ia dar em nada, mais do nada me bateu uma coisa que eu disse pra minha tia : '' Tia, ele não tá bem. Ele tá muito quietinho! '' , aê minha tia disse: '' Para de graça garota, ele tá bem ! '' , dito&feito. A enfermeira veio e disse que ele teria que ir pra UTI pois estava com bilirrubina. Nossa, mais eu chorei, e chorei, e chorei mais ela disse que a taxa dele estava com 21 se chegasse a 24 ele poderia ter problemas mentais, e eu chorei maaais ainda. Ele foi pra UTI e ficou no banho de luz. Não adiantou ele estava com 23, então na 3ª colocaram ele na emcubadora. Não pude amamentá-lo, nossa! E eu chorei maaaaais ainda, pois só conseguia pensar no pior. No dia seguinte, fui vê-lo (permaneci todo esse tempo no hospital) e me deixaram amamentá-lo \õ/ . Pra mim foi uma grande vitória! Quando a médica veio, perguntei se ele estava bem e ela me disse: '' Ele, essa madrugada melhorou muuuito, a taxa diminuiu para 3! '' nossa, eu fiquei mega feliz e ela continuou: '' Já tirei sangue dele, e dependendo do resultado ele poderá sair hoje daqui ! '', Cara só faltou eu voar no pescoço dela e dizer o quanto estava agradecida. Fui correndo ligar pro meu marido & minha mãe, contei e eles e ficaram suuper felizes.Depois que terminar de ligar pra todo o mundo avisando, corri pra UTI pra saber do resultado e adivinhem . . . ELE SAIU, E FOI DIRETO PRO QUARTO COMIGO! Ele recebeu alta e eu achei que podiamos ir pra casa, pois é pensei errado. A pediatra deu alta pra ele, mais a médica não me liberou pois eu estava com suspeita de infecção urinária ;@ que ódio mano, fiquei mais 2 dias no hospital. Tive alta na 6ª feira, na hora da visita! #graçasaDeus. Meu namorido tinha ido me visitar, então ele foi lá assinou o papel e eu fui embora. Eu não vi a hora de chegar em casa, assim que cheguei fui direto pro quarto dar uma boa dormida, pois afinal eu quase não dormia no hospital por causa de todos esses acontecimentos!



1. Após engravidar o que mais mudou em sua vida?
Meu jeito de falar, de agir, de pensar, de me expressar ... tudo mudou, para melhor!

2. Se arrependeu de ter engravidado ou de algo em relação? Pensou em aborto, adoção ou alguma maneira de não ficar com o bebê?
Foi bem difícil aceitar no início, por tudo que passei. Não vou mentir, eu pensei e tentei o aborto, mais hoje levanto as mãos pro céu e agradeço a Deus por não ter acontecido nada com o meu filho.

3. Qual sua relação com a família do pai do bebê? E a sua família?
Ótimo de ambas as famílias.


4. Em sua opinião qual a diferença entre uma gravidez na adolescência e uma na vida adulta?
Gravidez na adolescência é mais complicado porque muitas meninas não tem "estrutura", seja ela familiar ou financeira tanto as dificuldades e as responsabilidades são maiores; Na vida adulta somos mais mulher, temos condições financeiras e psicológicas ..

5. Descreva sua vida antes da gestação (3 palavras) e sua vida após a gestação (3 palavras).
Antes; sem responsabilidades, fútil e egoísta .. Depois; Dificuldades, superação e madura.

6. O que diria para meninas jovens que planeja uma gestação precoce?
Filho é uma benção, mais dá muito trabalho! Beijem, abracem e curtam a vida com consciência enquanto são novas. Porque depois que temos filhos, temos muitas responsabilidades e temos que deixar de lado tudo aqui que gostamos. Se preparem pro futuro, casem-se com a pessoa certa, tenho trabalho e não dependam de ninguém porque depois que o cara te engravidar e te der um pé na bunda, vocês vão ter que se virar para criar seus filhos.
"Não existe idade pra ser mãe, existe um tempo certo" Fica a dica pra vocês.

7. Quais suas expectativas sobre a educação de seu filho?
As melhores possíveis! Quero dar tudo pro meu filho, aquilo que não tive oportunidade de conquistar.

8. Sofreu preconceitos, humilhações ou negações na gestação? Como lidou com isso?
Sofri sim com tudo isso, vivia chorando pelos cantos por causa disso. Mais com o tempo fui deixando de lado, e comecei a erguer a cabeça e serguir em frente porque a afinal, " não adianta, por mais tempo que passe, por mais indas e vindas, ah meu amigo ... O mundo gira! "

9. Ser mãe é?
É TUDO DE BOOOOOOOOOOOOOOOM *-*

10. Por meu filho (a) sou capaz de?
De tudo, eu mato & morro por ele '

Postagens